Meio Triste, Meio Feliz

UM RECORTE SOBRE DESPEDIDAS, PASSAGENS, CONQUISTAS E RENÚNCIAS…. Era o último dia de atendimento a uma criança. Ela estava bem, os conflitos estavam na dinâmica familiar. Abordado isso com a família, era chegado então o momento da despedida do jovenzinho. Não era uma despedida fácil, afinal tínhamos construído algumas histórias, passado alguns impasses juntos. Eis que eleContinuar lendo “Meio Triste, Meio Feliz”

O Vespeiro

Ando atenta às polêmicas. Ando atenta às opiniões estabelecidas, rígidas. Ando atenta às trocas de ofensas devido às diferenças. Ando atenta aos críticos e mensageiros do apocalipse. Mas ando calada, não quero mexer no vespeiro. E por que não? Porque quem tem a crença estabelecida é surdo, é cego, mas não é mudo. É surdoContinuar lendo “O Vespeiro”

Apostas que valem um Futuro

Nosso papel enquanto geração esta ligado desde um sentido mais amplo, onde fazemos parte de uma sociedade, e como agentes sociais, temos o dever de promover a diferença em meio as repetições mortíferas que testemunhamos no nosso mundo. A pobreza, a poluição, os abusos, a violência. Todos nós temos alguma ligação com isso e umContinuar lendo “Apostas que valem um Futuro”

LOST: Histórias Restagadas

Lost teve inicio em setembro de 2004 e finalizou em maio de 2010. Conheço poucas pessoas que não tiveram contato com a série, entretanto, conheço poucas pessoas que a acompanharam até o final. Isso se deve a uma razão prática: tomaram o título ao pé da letra! Chega um momento da série, se minha memóriaContinuar lendo “LOST: Histórias Restagadas”

Delírios Noturnos

Em um dia conturbado, nada como dormir e torcer pelo recomeço. A esperança é que no próximo dia possamos apagar as lembranças de um dia ruim, com a possibilidade de acordar e não esquecer de quem somos. Um comediante que sou fã, Jerry Sienfield, fala que acordar é como voltar a ser bebe. Mal conseguimosContinuar lendo “Delírios Noturnos”

Entre quatro paredes

Te perdôo Por fazeres mil perguntas Que em vidas que andam juntas Ninguém faz (Chico Buarque – Mil perdões) “Sou diva, Sou uma diarreia ambulante, Sou purificado pelas cicatrizes do corpo” nos dizem três personagens, de atuação impecável, na peça “Parte doente”. Três personagens, três histórias, um vazio. Não se queixavam do mesmo vazio, nemContinuar lendo “Entre quatro paredes”

Toda a magia tem seu preço

Quando me apresentaram a série Once upon a time (Era uma vez), exibida pela emissora Sony, estava cheia de preconceitos, não apostei muito. Dois episódios foram o suficiente para enfeitiçar. Os contos de fada não saem de moda, fato! Eles abordam temas que borbulham nossa travessia pela vida, e não se limitam a infância. EContinuar lendo “Toda a magia tem seu preço”

Raiva desnaturalizada com Clarice

Tivemos a possibilidade de usufruir em Blumenau, quatro dias de Beth Goulart interpretando a peça “simplesmente, eu. Clarice Lispector”. Nas mídias sociais foram diversos testemunhos sobre a peça que encantou muita gente.  Corria-se o risco de um monólogo sobre palavras virar tédio para todos, mas os elogios vieram de todas as partes, e não dividiu gêneros.Continuar lendo “Raiva desnaturalizada com Clarice”

Das águas

O rio corta, dá margem, contorna e dá forma a cidade de Blumenau. Ora cartão postal, ora motivo de noticiário devido as cheias. Durante o ano, não apenas as bordas do rio ficam vulneráveis, mas também as experiências mais intensas e profundas do humano que nessa cidade habita. E é justamente sobre a relação doContinuar lendo “Das águas”

Isso não é meu

Em certa ocasião, estava procurando uma dinâmica de grupo para pensar o processo grupal num projeto de desenvolvimento de equipe, quando me deparei com uma atividade que me chamou atenção e me custou alguns momentos de reflexão. A dinâmica se chamava “ de quem é?” e resumidamente consistia no seguinte: formar um círculo com os participantes eContinuar lendo “Isso não é meu”