PalavrAcolhida

Colhendo e acolhendo palavras

Raiva desnaturalizada com Clarice

Tivemos a possibilidade de usufruir em Blumenau, quatro dias de Beth Goulart interpretando a peça “simplesmente, eu. Clarice Lispector”. Nas mídias sociais foram diversos testemunhos sobre a peça que encantou muita gente.  Corria-se o risco de um monólogo sobre palavras virar tédio para todos, mas os elogios vieram de todas as partes, e não dividiu gêneros.

Clarice diz: “raiva é a forma mais profunda de ser gente”. Me interroguei sobre o que isso significaria.

Estudos mostram que as mulheres podem ser tão agressivas quanto os homens, porém biologicamente são mais predispostas a serem o sexo frágil. A neuroquímica dos homens tendem, em situações de perigo, a responder com o mecanismo de luta-fuga, enquanto as mulheres buscam formas mais amigáveis de ação. Traduzindo: Previsão de sol amanhã, com possibilidade de chuva a qualquer hora.

Esses estudos são importantes e auxiliam a compreensão de alguns eventos tão curiosos que ocorrem cotidianamente. Mas isolados não dizem muita coisa. “A palavra é meu domínio sobre o mundo”, diz Clarice. Os seres humanos gozam por se acharem seres superiores. Essa suposta superioridade tem nome: somos capazes de pronunciar, transmitir e verbalizar nossa vivência. Ai já mora um problema, pois somos lançados num vazio tremendo nessa consciência de existência. As palavras podem ser uma possibilidade de contorno do vazio.

Mesmo sendo quimicamente tão parecidos, os humanos são profundamente diferentes dependendo até mesmo do país onde moram. Divagando sobre a existência e o que somos, Clarice joga uma pérola: “a angústia depende do angustiado”. Muito o que versar sobre a angústia, mas voltemos a raiva!

A indignação, o descontentamento, a raiva é uma resposta afetiva aos eventos que não podemos tolerar. Como não ficar com raiva diante da violência, desigualdade, injustiça, morte, nas desavenças com amigos, familiares etc, etc, etc? O que suscita a raiva em cada um, depende do raivoso também.

Nesse contexto aqui proposto, a raiva é um posicionamento diante de situações que não podem ser consideradas banais e nossa reinvindicação diante disso. Desejo de mudança, de movimento, de ação.

É  a partir desses afetos já não tão naturais, que vamos construindo nossa realidade e quem somos por enquanto. Como muito bem aponta a escritora, vivemos, mas saber quem nós somos é pedir demais. A raiva pode ser um afeto que, muitas vezes, nos aponta a direção que estamos caminhando, o que vem interrogando, em que posição estamos. Sendo assim, não subestimar, naturalizar e patologizar a raiva foi o que Clarice/ Goulart transmitiu valiosamente para mim…

Anúncios

2 comentários em “Raiva desnaturalizada com Clarice

  1. Maria Ester Pazolini Renaux
    7 de novembro de 2012

    Gostaria de voltar à frase “a angústia depende do angustiado” – lembrando que todo e qqr sentimento depende de cada um, uma vez que somos tão singulares, temos bordas, sim às vezes, ora elas estão distantes – isto angustia, ora estão muito próximas, tb angustia. E se nos perdemos no vazio e nem bordas vemos – seria a extrema angústia?. Afinal de conta angústia é estreiteza, é aperto, é esmagação, é restrição. O mal estar provocado por uma inquietude, um sentimento de opressão, um futuro incerto, um medo eminente e desconfortável, algo ameaçador. Ambiguidades, enfim, inquietudes sem objeto claramente definido. Tudo isto podendo estar contido num sentimento, de um ser singular, confuso ou impotente diante de perigos reais ou imaginários.
    Voce desenvolveu o texto com muita propriedade sobre a raiva, mas, não sei porque: Angústia? Com certeza, não resisti a fazê-la discorrer tb sobre a angústia. Esta Angústia da inquietude, da necessidade humana. Não se é humano sem angústia, não é? Ela é a parte instigante e inusitada de estar vivo. Kierkegaard disse que a angústia está vinculada ao humano como um sentimento do ser pela sua própria liberdade – tipo assim: sou humano, estou vivo, sou livre, logo sou angustiado. E Sartre ( existencialista em potencial) alertava-nos de que a angústia é a angústia diante de mim, diferenciando-a do medo, pois o medo é o medo dos outros.
    O PalavrAcolhida acolhe angustiadas, eternamente angustiadas, até porque vc tocou no assunto.. São textos que tratam de sentimentos afirmativos da vontade humana. E são muito Divã.
    Adorei este texto tb.

    Curtir

    • Eduarda Renaux
      12 de novembro de 2012

      Ester, sempre sensível com as palavras! Adorei o texto e teu recorte! A angústia é um afeto que ainda não me aventuro a falar. Pois acabamos falando dela de forma corriqueira mas ela trás consigo o que a de mais humano na tentativa de ser humano. Para falar dele com leveza é muito divã pela frente =)
      Muito obrigada pela contribuição tão rica, charmosa e convidativa!!
      beijos

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 4 de novembro de 2012 por em eventos, Saúde Mental, Vivências cotidianas.
%d blogueiros gostam disto: