Eu escapo entre os dedos…

Das mãos em concha que tentam segurar a água do mar…

Parte de mim fica pelo caminho… E o que sobra firma castelos de areia…

A mão concha é o lugar que eu mais quero estar…

Que faz dos grãos de areias um lugar de criar… Mas eu sou fluida, água corrente

Por isso preciso pedir…não me deixa escapar…

Dependendo da lua e da tua forma de a-mar, a onda me leva para outro lugar

Eduarda Renaux

01.08.2019